23 outubro, 2011

Breaking patterns

I've been thinking quite a bit about the issue of 'free will' lately. I recall this Google search on the subject I did a few months back. I didn't save the link I shall refer to along this post. But I was really surprised about my ignorance on the subject. Since most people I've talked about this with seemed to have a similar grasp of free will as me, I suppose this ignorance is shared by the most of us.

One of the first things the article brought up was the fact that in a major way, 'free will' is a matter of semantics. One first needs to understand what it actually means. I feel like I still do not, so I won't go there. I'll just bring up the obvious, which we paradoxically seem to be all aware of and yet ignorant about. What is it really which we can choose?

Nothing. Or so close to nothing that nothing is indeed the best discrete approximation to the nearest "somethingness" multiple of "Planck's constant". The fact of the matter is that what we have control over is so negligible that it's hard to feel like it's actually worth anything. And yet we strive to. We live our lives as if it were. Even those who "choose" to die by committing suicide, whatever is the meaning of that choice, seem to be intentionally pursuing something looking for a certain outcome. Why?

I'm not sure 'why' is really a pertinent question here. So I'll ignore it for a while and move on with what is it that we can choose. Yes. We can choose who we talk to. However we cannot choose them to talk back. We can choose what we say. But we cannot choose how they will react to that. And that's still at such a minute local scale! I won't even bother mention how little control we have over what happens in Andromeda Galaxy. So there.

In the end, if you look close enough, you're just an observer. A defective self-aware arm-robot in an assembly line. Being self-aware is actually part of the defect. You look around and the other robots seem to be working fine. They're doing just what they're supposed to, keeping the line moving forward, putting together whatever it is that they're supposed to put together and passing it on.

If one looks closer there might be more to it. But that's as far as I can see right now. Now please just hand me over those two pieces and tell me how to put them together and pass them on, will you?

Marcadores: , , , , , ,

15 outubro, 2011

You might not get it but someone does

Yesterday I was sharing the following video with a friend and got an interesting reaction.

It came up in the context of double bass pedals. He asked me when I would get one---I'm a beginner/intermediate drummer---and I said I probably wouldn't for a while. I don't want to get distracted by endless possibilities while I still have so much to learn about the very basics. Anyways, he basically said double bass drumming is silly. I find that surprising given how much rhythmic interest one can create using double bass pedals. I showed him that video of Matt Halpern from Periphery as an example.

While listening to it for about a minute he made a few comments of which I retained three, paraphrased as follows: (1) [I would probably have a lot of fun playing that, but it doesn't really speak to me.] (2) [That looks to me as if he's trying to say something like "Hey, look at me! I got to level 14 on this videogame!"] (3) [His cymbals must have so many nice tones I will never hear...]

Why don't WE normally stop at (1)? You acknowledge there is something about it which you don't really get. Excellent. For me it doesn't really matter whether what he is doing is really hard or not, whether he's trying to show off or not. Of course the technical aspects of it interest me as a drummer and that's part of what I value there. But when I'm listening, or appreciating it synesthetically while watching a video, it really comes down to how I react emotionally and physiologically to the rhythmic patters (or lack thereof) in the sonic input.

In summary, I feel like there is a lot being said there, whether or not he is also getting the most he could out of his cymbals. Things can indeed turn out to be pretty bad if we're approaching them looking for something they're not.

Matt Halpern instantly became one of my favorite drummers after I saw him on DrumChannel

His full performance goes well beyond what they show in this short clip, which you can see if you're a subscriber. If you like polyrhythms, his and associated acts are strongly recommended. If you don't like polyrhythms, growling vocals, severely distorted/low pitch guitars and rhythmic mayhem, I'm sure there is a lot out there you can still appreciate without having to be demeaning of what you don't.

Marcadores: , , , ,

07 outubro, 2011

A Little Though Experiment

Imagine that all of a sudden human population on Earth has been dramatically reduced as a result of whatever catastrophic event of your choice. We're down to a single small community of people which is, on top of that, struck by an epidemics of blindness.

Nobody can see anymore. Despite the major initial disruption caused by the happening, life goes on and they soon adapt to their new condition, which does not change despite some people's hope they will live to see again. Years have passed and the first baby is about to be born. They've never really understood what caused their blindness but hope is not lacking in this miserable community. Maybe the baby will be able to see. She cannot.

It's been a good number of years now. The last person who could once see just died and the very concept of vision now exists just as orally transmitted memories from the previous generation. This is how things go for an unknown amount of time. Without being able to detect light it's not so easy to keep track of time.

After long enough for the idea of seeing to change status from orally transmitted memories to legends of long before, someone grows up claiming they can see. Discuss the dynamics in this community facing this claim.

15 abril, 2011


Highlander, browser's suggestions. I wonder why. Lander? PLoS Biology 2009? Who got here? Karina?

10 abril, 2011

The Icing in The Cake

Today I was off to do some work at Dunkin' Donuts. There is a 24/7 DD one block away from where I live and I like to go there to do some work over coffee late at night. Right next to DD there is a Papa John's pizza, where I decided I would get my dinner to save some time. Now I'm wasting all the time I saved writing this post and getting over what just happened.

I was having a very productive working evening, half the way through my third pomodoro, when I was interrupted by this Jewish looking gentleman who asked whether there was something inside the pizza box. (I obviously couldn't finish the large pizza and didn't feel like walking the left over back home before heading to DD since Papa John's and Dunkin' Donuts are right next to each other.)

-- Yes, sir. There is left over pizza inside the box.
-- Could you please leave it in your car? You could get these people [Dunkin' Donuts employees] fired if someone [the Rabin?] finds out they're allowing non-kosher food into the store.
-- Well, I don't have a car, but sorry for the trouble. Don't worry, I'm leaving [and taking my pizza with me].

What has anyone accomplished with this other than a grumpy, frustrated blog post? I feel like I might have just experienced a hint of Jesus' frustration with the religious establishment of his time, if one allows me the presumption. It seems---or at the very least that's how I feel---like nothing else mattered, except that the food I had brought into the store was unholy according to their standards.

You know, even that would have been fine, actually. Just tell me at the entrance you cannot bring non-kosher food inside. That's fine. Some places don't allow any food from other vendors and that's fine. Some places don't allow people on fur coats inside. I suppose we're all at our rights protecting our beliefs and idiosyncratic behaviors. But there wasn't such a sign!

On top of that, I'm pretty much friends with the employees in the night shift. I've shown them the picture of my possibly indian ancestors and all, and they have never complained about anyone bringing anything  from outside in there. I think they didn't even see the pizza box to be honest. Actually, I would have been perfectly comfortable with one of Dunkin' Donuts employees come to me and politely ask me to leave, otherwise they could loose their kosher certification and a big chunk of their market here in Highland Park. But that's not what happened.

I also wonder whether the Rabin would have really made such a big deal out of it. I mean, an uninformed non-Jew walks into a kosher certified place with a closed box containing food he has no idea whether it would be kosher or not, nobody sees it, nobody asks anything about that. How can that be bad? I would be really shocked---and offended---if those guys really lost their jobs because they are not sweating on what their customers are bringing into the store.

Enough venting, let's get back to work.

03 abril, 2011

Cheio de nada...

Eu recentemente ouvi falar dessa técnica que alguns escritores utilizam que consiste basicamente em escrever três páginas inteiras todo dia de manhã antes de começar a escrever qualquer outra coisa. Eu nunca tentei fazer isso mas eu acredito que pode mesmo funcionar. Você se livra de todos os pensamentos, sonhos, pesadelos e distrações imediatas. E não apenas se livra dessas coisas como também dá um lugar para elas. Deixa eu procurar alguma coisa sobre isso na Internet.

Eu estava tentando fazer isso agora aqui no computador e percebi que não é tão efetivo quanto escrever no papel. Em primeiro lugar eu fico parando toda hora para corrigir o que eu escrevi, mudar, apagar, etc, enquanto que no papel você é obrigado a deixar as coisas fluírem. Então é o seguinte, eu vou desligar essa bosta e voltar para o papel.


Duas semanas depois...

Na verdade escrever no computador funciona muito bem também. E vai bem mais rápido que no papel. Todos sabemos que pensamos bem mais rápido do que falamos ou escrevemos. (Se não me engano, pensamos cerca de quatro vezes mais rápido do que falamos.) No computador a discrepância (entre a velocidade em que você pensa e a velocidade em que você escreve) é um pouco menor e eu sinto que é mais fácil manter o pensamento fluindo ao mesmo tempo em que você escreve o que está acontecendo. Tenho feito isso a duas semanas---um pouco mais do que isso---e já está dando resultado. Digo, já apareceram várias coisas, vários "Freudian slips", so to speak, e coisas do tipo, normalmente escondidas no fundo do seu cérebro. E várias dessas coisas são, na verdade, muito relevantes! Um dia eu talvez fale mais sobre isso em um contexto público como esse. Por enquanto vai ser isso mesmo.

Bom, meu pomodoro de blogging está acabando e eu ainda tenho que ir divulgar meu blog, então eu vejo vocês na Sexta-Feira. Yeap, acreditem vocês ou não, eu vou fazer mais uma tentativa de manter o blog ativo. Mesmo que eu ainda esteja decidindo se vou continuar escrevendo em português ou se vou mudar o idioma do blog para o inglês, que é a língua na qual eu tenho pensado mais ultimamente.

Alright. E se você está interessado nas tais das morning pages, não deixe de conferir 750words.com. Vale a pena!

13 janeiro, 2011

Frases da Semana 2010

Primeiro de Janeiro a 19 de Agosto (a semana mais longa do ano):
"As pessoas têm trabalhado para poder pagar alguém para ficar com seus filhos enquanto elas trabalham."

19 de Agosto a 17 de Setembro (a segunda semana mais longa do ano):
"Um quilômetro não é nada para alguém que pensa em milhas..."

17 de Setembro a 31 de Dezembro (a segunda semana mais longa do ano):

17 setembro, 2010

Isso não existe

Quantas pessoas você conhece que realmente entendem como um computador funciona? Eu não sei nem por onde começar a tentar entender...

Na verdade ninguém sabe. Ninguém sabe completamente. A tecnologia chegou a um estágio de complexidade e modularidade que não cabe mais dentro do cérebro humano. Havia um tempo em que eu pensava que inteligência artificial não seria nunca possível. Hoje eu entendo inteligência artificial de forma um pouco diferente e como algo que não apenas é possível como, também, já está entre nós.

Se você precisa escrever um programa para aproximar uma solução para sua equação diferencial, está usando inteligência artificial. Não adianta me dizer que foi você quem programou o computador. A verdade é que vivemos em simbiose com essa máquina que criamos e devemos lhe dar algum crédito, ainda que a maior parte fique para nós, criadores e programadores dessa nova forma de aspirante a vida.

(Aqui nos EUA as casas não tem formigas nem moscas mas, em compensação, tem lacraias! E elas picam; e picada de lacraia enche o saco pra caralho!)

OK, consegui parar de coçar minha perna e voltar ao assunto. Estávamos bem sem o computador---e uma porção de outras coisas. E é verdade que computadores e eletrônicos ainda dependem fortemente de nós humanos para se reproduzirem e se desenvolverem---por isso minha escolha pelo termo 'simbiose'. Mas não dá para negar a capacidade que máquinas já tem, o quanto boa parte dessa capacidade está mesmo fora de nosso controle e compreensão, e o quanto dependemos disso.

Se você ainda não está convencido ou não se importa, tente se lembrar disso da próxima vez que seu computador te desobedecer...

01 setembro, 2010

Já me falaram...

Eu sei, estou tentando fazer o blog engatar e já estou deixando a coisa desandar novamente. Mas vai pegar sim. Se você deixar este post contar eu agora só estarei com um post atrasado. Daí é só postar uma foto amanhã que fica tudo resolvido e Sexta-Feira tá tudo certo de novo. É isso aí... Tchau, vou dormir, boa noite.

30 agosto, 2010

Não sei se caso ou se compro uma bicicleta...

Embora eu já tenha uma bicicleta, me dei conta de que, apesar do anonimato e da pequena quantidade de leitores em meu blog, a verdade é que eu sou uma pessoa muito sociável. Este ano eu fui voluntário pela segunda vez na semana de orientação para estudantes estrangeiros na universidade onde estudo. São cerca de 500 alunos estrangeiros por ano. Dá um trabalho danado mas a recompensa social é impagável. Ou pelo menos o foi ano passado.

Ano passado eu era solteiro. Além de solteiro, tinha acabado de tomar um fora violento. Minha meta era conhecer o máximo possível de pessoas. Eu não fiz nada durante aquela semana que não tivesse a ver com a orientacão para estudantes internacionais, exceto brincar com minha nova guitarra elétrica. Eu usei minha bicicleta um bocado também, diga-se de passagem, mas apenas como meio de transporte entre diferentes eventos da semana de orientação.

Esse ano não dá para negar que minha participação foi diferente. Fica mais complicado fazer amigos quando o que importa mesmo é a pessoa que está esperando você chegar em casa e ligar pra ela.

É uma decisão muito complicada. Ninguém é perfeito, não é esse o problema. A questão é: serei eu capaz de conviver com os defeitos dela por toda uma vida? Sim, casamento para mim é para sempre, sobretudo se o mesmo incluir filhos.

Eu não quero ter filhos. Tudo isso para mim parece responsabilidade demais e eu estou ficando apavorado. Nós não conseguimos nos comunicar direito. Amor é ao mesmo tempo uma bênćão e uma maldićão. E eu estou com uma preguića do cacete de consertar meu trabalho, que dirá de comprar uma bicicleta, ou casar. Acho que por enquanto vou continuar tocando minha bateria e estudando teoria musical. Vou deixar pra pensar nisso quando eu não tiver nada melhor pra fazer...

19 agosto, 2010

Desculpe-nos o transtorno mas o título deste post foi promovido a frase da semana.

Eu já me dei tão bem na vida que agora vivo constantemente sob o medo e apreensão pela primeira vez em que vou me fuder de verdade. Essa é talvez uma das formas, ainda que das simplistas, de resumir a existência: você está constantemente tentando evitar a próxima "auto-fornicação". Tudo bem, nem tanto, eu admito que existam pessoas que parecem não tentar evitar que isso aconteça (ver, por exemplo, www.darwinawards.com).

Esse pedaço substitui o parágrafo que estava entre o anterior e o próximo, que eu apaguei por que estava uma merda e eu não quero que ninguém leia. O constante medo de se fuder parece um bom assunto para um post. Tão bom que eu vou guardar para depois. No momento irei escrever sobre...

Patinetes, férias, outono. A propósito, estou à procura de meios de transporte alternativos. Deixa eu explicar melhor a situação. Moro a uns 20Km de onde estudo. São cerca de 15Km de minha casa até a Rodoviária e mais ou menos outros 5Km da Rodoviária até a Universidade. Esses 15 primeiros quilômetros eu faço em mais ou menos 25min de metrô, contando o tempo que eu levo de bicicleta de minha casa até a estação. Dá pra acreditar que os 5Km restantes chegam a me tomar até 50min, o dobro do tempo do primeiro tempo, que é três vezes mais comprido?

As considerações são duas. Uma coisa é a polícia que, ao invés de estar evitando assaltos e assassinatos chega a alocar três de seus homens, com coletes a prova de balas e tudo, para coibir o transporte alternativo. Nos resta, na maioria das vezes, esperar pelo ônibus "legal", que vem de 20 em 20 minutos e sai LOTADO! São raras as vezes em que a fila toda cabe em um só. Eu sinceramente não me lembro qual era a segunda consideração.

O bom de tudo isso é que eu comecei a escrever este post mais de dois anos atrás, no primeiro de Abril de 2008, e as coisas agora felizmente são bem diferentes. Mas apesar da data, era tudo verdade. Enfim, eu já não moro mais no mesmo lugar e na última vez em que estive lá, em Julho/Agosto de 2009, era permitido carregar a bicicleta dentro do metrô fora do horário de pico, o que provavelmente reduziria os 5Km finais de meu caminho para a Universidade a uns 15--20min de pedal. Bom para quem ficou...

15 agosto, 2010

Experimentando outras mídias...

Aproximadamente 4'33''; Alamogordo (Novo México, EUA), 2010 (enquadramento sonoro)